Vereadores poaenses debatem terceirização da saúde

Foto: Gisele Santos

Parlamentares cobraram a realização de audiência pública para esclarecimentos e ciência da população

Os vereadores poaenses discutiram na noite desta terça-feira (03 de novembro), durante sessão ordinária, a terceirização do Hospital Municipal de Poá, proposta pelo secretário de Saúde, Marco Antônio Grandini Izzo. O assunto foi levantado pelo vereador Luiz Eduardo Oliveira Alves (PPS), o Edinho do Kemel.

“Sou contra a terceirização, não sabemos qual vantagem terá a nossa cidade e os funcionários. É necessário uma audiência pública para ciência da população. Até que prove o contrário sou contra”, disse Edinho.

O vice-presidente da Casa de Leis, Lázaro Borges (PROS) engrossou a fala do parlamentar. “Nós não temos como decidir isso. Conversei com o prefeito Marcos Borges (PPS), o Marcos da Gráfica, coloquei ponto de vista contrário área de saúde tem de ser administrada pelo Poder Público”.

O presidente do Legislativo poaense, Mário Massayoshi Kawashima (PSD), o Mário Sumirê, também utilizou a tribuna para tecer comentários sobre o assunto:

“Estamos num momento iminente da terceirização da saúde e não houve audiência pública para esclarecimentos. Trata-se de uma ruptura de um sistema e entrada de outro. Temos de fiscalizar com responsabilidade, é preocupante. Onde serão realocados os funcionários? Não somos contra, mas queremos saber os detalhes”, ponderou o chefe da Casa de Leis.

O primeiro-secretário da Câmara de Poá, vereador Alexandre Provisor atentou aos valores que serão investidos na terceirização. “Estamos falando de R$ 37 milhões de reais, dos cofres públicos para gerenciamento do hospital, dois postos de saúde e o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). Cabe a nós, fiscais do povo, nos atentarmos a essa licitação que ocorrerá no dia 11 próximo”.

Welson Lopes (PROS) também se posicionou contrário à medida. “A terceirização não é a solução para a saúde de nossa cidade. O secretário já deveria ter explicado as ações da pasta e nos mostrado as melhorias que pretende implantar. O que precisamos é a contratação de mais médicos”.

O vereador Antônio Nobre Ramos (SD), o Marquinhos Mecânico, indagou: “o que sai mais em conta contratar uma equipe médica ou terceirizar”?

O líder do governo Deneval Dias do Nascimento (PRB), argumentou que “a pasta está no limite sobre o percentual com a folha de pagamento, neste momento, a terceirização permite contratar sem contar como porcentagem na folha, já que há um limite e a lei proíbe ultrapassar”.

Willian Ferrari (PROS), o Neno Ferrari, também se declarou contrário a terceirização. “Houve uma reunião e foi dito aos funcionários que todos os vereadores estão a favor da terceirização. Eu não estou!”

O presidente da Comissão permanente da Saúde, Ricardo Massa (PP), falou que a comissão se coloca contrária a terceirização. “Entendo que o Legislativo tem autonomia para entrar com um mandado de segurança para que a licitação não seja realizada”.

Ordem do dia

Na sessão desta terça-feira, dia 03 de novembro, os parlamentares aprovaram dois itens. O primeiro deles, em segunda votação, sobre a criação de Rua de Lazer a Rua Boracéia, na Vila Perracine, de autoria do vereador Marcos Ribeiro da Costa (PDT), o Marquinhos da Indaiá, autor também do terceiro item abonado que declara de utilidade pública municipal a “Associação Esportiva Clube Atlético Bicho Solto”.

O segundo item foi retirado da pauta a pedido do autor Marquinhos Mecânico. A matéria dispõe sobre a implantação da “VUC” em Poá, restrição de circulação de caminhões em Poá, em horário de pico. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Poá)


Comentários no Facebook